A Aplicação da Metodologia Front-End Load (FEL) em Projetos Minerais de Pequeno a Médio Porte – Uma Realidade Viável? – PARTE II


O Gerenciamento de Projetos combinado com a Metodologia FEL no setor de Exploração Mineral pode mesmo auxiliar a torná-lo mais objetivo?

Nessa segunda parte vamos continuar a abordar o assunto da Metodologia FEL aplicada à projetos de exploração mineral. A abordagem se sustenta em três pilares de conhecimento: Gestão de Projetos (PMBOK 5ª Edição), Metodologia FEL e, naturalmente, Pesquisa Mineral. Na Parte I destacamos conceitos da Metodologia FEL, agora iremos debater sobre as áreas do conhecimento em Gestão de Projetos, em específico Escopo, Custos, Prazos, probabilidade de Riscos, e atenção aos Stakeholders.

De acordo com o PMBOK 5ª Edição um projeto é definido como um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Um projeto no Setor Mineral pode ter como exemplo a expansão da planta de beneficiamento de determinado minério para aumentar a produção, um projeto de implantação de malha ferroviária para escoar o produto lavrado, um projeto de expansão de mercado consumidor através de outros projetos de pesquisa mineral em áreas potenciais próximos a mercados estratégicos, entre outros exemplos.

O Gerenciamento de Projetos pode ser entendido como a utilização de conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas em atividades de determinado projeto para atender aos seus requisitos propostos no Escopo. O gerenciamento de projetos depende da aplicação e integração apropriadas dos 47 processos de gerenciamento de projetos, logicamente agrupados em cinco grupos de processos. Esses cinco grupos de processos são (PMBOK, 2014).

Ainda no contexto do PMBOK 5ª Edição, o guia prevê 10 áreas do conhecimento: Integração, Escopo, Prazos, Custos, Qualidade, Recursos Humanos, Comunicações, Riscos, Aquisições e Partes Interessadas (Stakeholders). No nosso caso, para esse debate, vamos considerar, a princípio, o Escopo, Prazos, Custos, Riscos e Stakeholders.

Escopo, Custos, Prazos, probabilidade de Riscos, e atenção aos Stakeholders, são importantes variáveis que influenciam a concepção, a execução e o sucesso do projeto. Escopos genéricos resultam em orçamentos mal dimensionados, e, consequentemente, projetos mal elaborados e prazos que não condizem com a real necessidade para a sua execução. Nesse cenário os riscos se mostram ainda mais altos do que já são naturalmente, e por fim, minam a confiança dos Stakeholders, além de prejuízos e de não terem suas expectativas atendidas ou superadas. São variáveis interconectadas.

“Um projeto que começa mal dificilmente terminará bem!”

  • Escopo

O gerenciamento do Escopo do projeto (item 5 no PMBOK 5ª Edição) consiste em determinar as atividades necessárias previstas para a conclusão do projeto estejam contempladas no planejamento, e apenas o necessário para terminar o projeto com sucesso. Em outras palavras, o gerenciamento do escopo define e controla o que está e o que não está incluído no projeto.

  • Prazos

Item 06 no PMBOK 5ª Edição, o Gerenciamento do tempo do projeto inclui os processos necessários para gerenciar o término pontual do projeto (PMBOK 5ª Edição, 2014). Os prazos estimados para as atividades do projeto de exploração mineral estão diretamente ligados ao escopo. Portanto, escopos bem detalhados, em seu nível adequado para o projeto, permite uma estimativa de Prazos mais realística em relação à aderência ao projeto.

  • Custos

O gerenciamento dos custos do projeto (item 07) está relacionado aos processos envolvidos em planejamento, estimativas, orçamentos, financiamentos, gerenciamento e controle dos custos, com o objetivo de se terminar o projeto dentro dos limites do orçamento aprovado para tal.

  • Riscos

O Gerenciamento dos riscos do projeto (número 11 no PMBOK 5ª Edição) inclui os processos de planejamento, identificação, análise, planejamento de respostas e controle de riscos de um projeto. Os objetivos do gerenciamento dos riscos do projeto são aumentar a probabilidade e o impacto dos eventos positivos e reduzir a probabilidade e o impacto dos eventos negativos no projeto (PMBOK 5ª Edição, 2014).

  • Stakeholders

O gerenciamento das partes interessadas do projeto (Stakeholders) – 13ª inclui os processos exigidos para identificar todas as pessoas, grupos ou organizações que podem impactar ou serem impactados pelo projeto, direta ou indiretamente, e analisar as expectativas desses Stakeholders e sua influência sobre o projeto. Consiste também em desenvolver estratégias de gerenciamento apropriadas para o engajamento eficaz das partes interessadas nas decisões e execução do projeto.

Esses critérios são importantes para se considerar em um projeto de Exploração Mineral, em maior ou menor grau e independente do porte do projeto. Pequenos e médios mineradores se preocupam em minimizar custos e desejam realizar as atividades de prospecção e pesquisa em prazos imediatos…

Porém, de certa forma, podem negligenciar as questões relacionadas ao Escopo e aos Riscos que envolvem os processos de Exploração Mineral – o que acaba trazendo o efeito contrário daquilo que se espera de um projeto dessa natureza.

Entender esses critérios não é necessariamente algo complexo ou trabalhoso, e ao contrário do que muitos imaginam, não comprometem prazos e não aumentam os custos. Como já foi mencionado no primeiro artigo, o objetivo é adequar as metodologias de gerenciamento e planejamento à realidade do projeto, e não o contrário. É bem provável que você como minerador, como investidor ou como profissional da área já realiza alguns desses processos. O importante é colocá-los em perspectiva, dando o real sentido para as atividades que você realiza em sua rotina diária em projetos de Exploração Mineral.

E é esse o objetivo dessa série de artigos sobre o FEL. Em cada um dos itens do conhecimento de Gestão de Projetos podemos conseguir visualizar situações do cotidiano, que deram bons resultados, ou que poderiam ter sido abordadas por procedimentos como os descritos aqui.

No próximo artigo vamos tratar das Fases da Pesquisa Mineral relacionadas à Metodologia FEL no contexto destas 05 áreas do conhecimento do PMBOK 5ª Edição.


Leonardo Souza é Engenheiro Geólogo com experiência em Prospecção Mineral e Geologia do Petróleo, possui MBA em Gestão Estratégica de Projetos e é Diretor  Executivo da CLGeo Soluções em Geologia e Mineração.

Confira nossos serviços! CLGeo Soluções em Geologia e Mineração

Share on LinkedInShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe seu comentário!